Pena branda a Maluf, STF deixa evidente que crime metido por políticos compensa no Brasil | Cenário do Tocantins, Notícias, Política, Economia, Agronegócio
Palmas-TO 19/10/2019
Pena branda a Maluf, STF deixa evidente que crime metido por políticos compensa no Brasil
Maluf mostra a brasileiros que o crime compensa. Prescrição de quase R$ 160 milhões e pena de apenas 7 anos e 9 meses. Brasil da impunidade

Maluf mostra a brasileiros que o crime compensa. Prescrição de quase R$ 160 milhões e pena de apenas 7 anos e 9 meses. Brasil da impunidade

Será que dessa vez o ex-prefeito de São Paulo, o deputado Federal Paulo Maluf vai para a cadeia? Essa é a pergunta de quase 200 milhões de brasileiro que vê em Paulo Maluf a demonstração cabal da impunidade no Brasil.

No entanto, essa impunidade pode estar com dias contados. Pelo menos é o que esperamos já que os ministros da Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) votaram pela condenação de Paulo Maluf (PPSP) a 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão em regime fechado por crimes de lavagem de dinheiro.

Essa pena ainda é leva já que o condenado causou danos sem condições de mensuaração por desvio de dinheiro público e majoramento de obras qu epoderam benericiar milhões de paulista com outras obras, investimentos em saúde, na educação e em moradias para a classe mais carente do município paulista.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a Primeira Turma do STF entenderam que Maluf ocultou e dissimulou dinheiro desviado da construção da Avenida Água Espraiada (atualmente chamada de Avenida Roberto Marinho) enquanto era prefeito de São Paulo (1993 a 1996).

O esquema de corrupção utilizou transações no exterior para repatriar os desvios, segundo o Ministério Público Federal.

Três dos cinco magistrados seguiram o voto do relator, Edson Fachin: Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux. Já Marco Aurélio foi contra, pois o crime que originou a lavagem de dinheiro prescreveu.

O MPF responsabilizou Maluf por desvios de mais de US$ 172 milhões. Mas parte dos crimes já foi prescrita.

Embora a punição tenha ocorrida, como sempre, a burocracia e falta de interesse dos magistrados em fazer a justiça acontecer, levou à prescrição de parte dos crimes cometidos por Maluf, gerando um prejuízo de quase R$ 160 milhões aos cofres públicos, sem falar nas atualizações e correção monetária do montante.

As decisões proferidas pela justiça nos casos de políticos corruptos, tem gerado a impressão de que o crime cometidos por políticos e grandes empresários, compensa no Brasil, uma vez que nunca o valor total desviado ou roubado voltam na integra aos cofres públicos novamente.

Nas decisão de agora, pela condenação de 7 anos e 9 meses, Fachin considerou apenas desvios na ordem de US$ 15 milhões. Enquanto isso, Maluf continuará gozando dos quase R$ 160 milhões que foram desviados.

“Entendo devidamente constatada a materialidade bem como a autoria do réu Paulo Salim Maluf entre o ano de 1998 e 2006, de forma permanente ocultou e dissimulou vultuosos valores oriundos da perpetração do delito de corrupção passiva utilizandose para isso diversas contas bancárias e fundos de investimentos situados na ilha de Jersey, abertos em nomes de empresas offshores”, disse Fachin.

O caso está na Primeira Turma do STF, da qual Fachin fazia parte até fevereiro deste ano, quando mudou de colegiado para participar do sorteio da relatoria da Lava Jato, depois da morte de Teori Zavascki em acidente aéreo.

Alexandre de Moraes, que entrou na cadeira de Fachin, não participa deste julgamento. (Com informações da Folha de S. Paulo/Foto: Divulgação)

Matéria publicada em 23/05/2017



Indique esta Matéria para um Amigo Indique esta Matéria para um Amigo

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

Leave a comment

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

Sérgio A. de Oliveira.
Rua 100, Nº 49 Qd. F17 Lt 01- Fone: (62) 98667-5775 / (62) 3255-8184 redacao@cenariotocantins.com.br - Goiânia - Goiás